registro fossil

O Registro Fóssil e a fraude evolucionista

apologética registro fossil
O Registro Fóssil e a fraude evolucionista

Autor: Robson T. Fernandes

“Mas, pergunta agora às alimárias, e cada uma delas te ensinará; e às aves dos céus, e elas te farão saber; Ou fala com a terra, e ela te ensinará; até os peixes do mar te contarão. Quem não entende, por todas estas coisas, que a mão do Senhor fez isto?” (Jó 12:7-9)

“Pressuposta a origem evolutiva dos principais grupos de animais, e não como produto de uma criação especial, a ausência de absolutamente qualquer registro de um único membro de qualquer filo nas rochas pré-cambrianas permanece tão inexplicável, em bases ortodoxas, como o era para Darwin.”

(George, T. Neville, “Fossils in Evolutionary Perspective”, Science Progress Vol.48, p.5)

            Uma das afirmações que servem como base para o pensamento evolucionista é a afirmação de que existem supostos fósseis que são evidência de evolução, e os mesmos são denominados de fósseis transicionais. Outra afirmação é que o substrato fornece informação favorável ao evolucionismo.

            Veremos, a partir de informação de diversos cientistas, inclusive evolucionistas, que essas afirmações, favoráveis ao evolucionismo, nada mais são que mentiras criadas para manter a humanidade na escuridão.

Richard Dawkins, um dos maiores evolucionistas do século XX:

” …existem certas coisas sobre o registro fóssil que qualquer evolucionista poderia esperar que fosse verdade. Por exemplo, nós deveríamos ficar muito surpresos em achar fósseis de humanos que aparecem no registro antes do surgimento dos supostos mamíferos e sua evolução! Se um único, bem verificado crânio de mamífero fosse encontrado no período de cerca de 500 milhões de ano, nossa teoria moderna da evolução seria totalmente destruída.” (The Blind Watchmaker, 1986, p.225 

“alegados ossos humanos foram encontrados nos depósitos de carvão do  Carbonífero. Se forem autenticados como humanos, estes ossos apagariam a teoria da evolução da água “. (Free Inquiry, V.21, No.4, 10/11/2001)

            Richard Dawkins confessa que se osso humanos forem, encontrados nesse período de tempo, então, a teoria da evolução seria desmascarada e derrubada.

            O Dr. Steven M. Stanley, da Universidade John Hopkins disse:

“Há uma variedade infinita de modos pelos quais, desde 1859, o conceito geral de evolução poderia ter sido demolido. Considere o registro fóssil – recurso pouco conhecido na época de Darwin. A descoberta inequívoca de uma população fóssil de cavalos em pedras do período Pré-cambriano contesta a evolução. Mais geralmente, qualquer distúrbio ou confusão na sucessão de fósseis nos forçaria a repensar nossa teoria, contudo não há uma única luz para nós. Como reconheceu Darwin, uma única inconsistência geográfica teria quase o mesmo poder de destruição”. (The New Evolutionary Timetable, 1981, p.171)

            Em um programa de Tv na NOVA TV Special, God, Darwin And The Dinosaurs, foi afirmado o seguinte:

“Pegadas de dinossauros foram encontradas lado a lado com pegadas de humanos. O evolucionismo afirma que os humanos evoluíram muito tempo depois dos dinossauros serem extintos … [o] achado reivindica que todas as espécies foram criadas, inclusive o homem, de uma vez “.

            O Dr. Ernst Mayr, da Universidade de Harvard disse:

“Os criacionistas declararam que os humanos e dinossauros foram contemporâneos… No momento que esta declaração for comprovada como verdadeira os nomes de seus descobridores irão trovejar nos corredores do tempo como os indivíduos que fizeram um das maiores descobertas do século XX”. (Gish-Mayr Debate, Evansville, Indiana. 

            O Dr. Niles Eldridge, do Museu Americano de História Natural, disse o seguinte:

“Nós temos olhado para o registro fóssil como um teste geral da noção de que a vida evoluiu: para falsificar a ideia geral, nós teríamos que mostrar que as formas de vida que nós consideramos mais avançadas apareceram antes das formas mais simples.” (Monkey Business, p.46, 1982)

            O Dr. Louis Jacobs, da Southern Methodist University, que é presidente da sociedade de paleontologia dos vertebrados, disse o seguinte:

“co-ocorrência de homens e dinossauros. Tal ensino dispensaria uma Terra com idade avançada. A história inteira de criação, inclusive o dia de descanso, poderia ser acomodada nos sete dias bíblicos do Gênesis. A evolução seria derrotada “. (In Quest of the African Dinosaur, p.261)

            Aceitar que dinossauros e homens foram contemporâneos é um dos grandes problemas para a existência do evolucionismo.

            É importante destacar que grandes descobertas têm sido feitas, e grandes centros de estudo têm comprovado os pilares do criacionismo. Entidades como: Smithsonian Institute, Centre d’Etude et de Prospectives sur la Science, Oxford, Harvard, MIT, Berkeley, SBPC, Académie des sciences na França, The University of Chicago Press, Journal of Geophysical Research, Journal of Geodynamics, Science, The Geographical Review, Geophysical Research Letters, Technical Journal, Princeton University Press, Bulletin of the Astronomical Society of South Australia Inc., The Journal of Chemical Physics etc.

            O Criacionismo, bem como seus ensinos têm sido, ao longo dos anos, comprovados. Vejamos:

“Contudo, os animais devem ter existido muito antes do Cambriano, pois estratos desse período, os mais antigos, ricos em fósseis, contêm grande variedade de invertebrados: protozoários, esponjas, cnidários, vermes, braquiópodes, equinodermos (holotúria, crinóides), molusco (gastrópodes, cefalópodes) e artrópodes (crustáceos e trilobitas). É impossível descobrir o início da maioria dos filos e de muitas classes dos invertebrados…”

(Store, Tracy I. , Usinger, Roberts L. , Stebbins, Robert C. e Nybakken, James W. , “Zoologia Geral”, companhia editora nacional, 6o edição , p.242)

“Há uma grande lacuna na teoria neodarwiniana da evolução, e acreditamos que ela deva ser de tal natureza que não possa ser conciliada com a concepção corrente da biologia”.

(Schützenberger, M.P., “Algorithms and the Neo-Darwinian Theory of Evolution”, in Mathematical Challenges to the Neo-Darwinian Interpretation of Evolution, org. P.S. Moorhead e M.M. Kaplan, Wistar Institute Press, Philadelphia, p. 75.) 

O Dr. G. Sermont e R. Fondi no livro Dopo Darwin. Critica all’ evoluzionismo, afirmam nesse sentido que: “é se constrangido a reconhecer que os fósseis não dão mostras de fenômeno evolutivo nenhum… Cada vez que se estuda uma categoria qualquer de organismos e se acompanha sua história paleontológica… acaba-se sempre, mais cedo ou mais tarde, por encontrar uma repentina interrupção exatamente no ponto onde segundo a hipótese evolucionista deveríamos ter a conexão genealógica com uma cepa progenitora mais primitiva. A partir do momento em que isso acontece, sempre e sistematicamente, este fato não pode ser interpretado como algo secundário, antes deve ser considerado como um fenômeno primordial da natureza.” 

O professor Le Conte, da Universidade de Califórnia, nos EUA, opinou: “A evidência que hoje possuímos, com base na geologia, é que as espécies animais vieram à existência subitamente e completamente perfeitas”.

O professor W. Branco, do Instituto de Paleontologia de Berlim, na Alemanha, disse: “A paleontologia nada nos desvenda sobre o assunto. Desconhece quaisquer ancestrais do homem. Todas as provas, colhidas até o momento, mostram que o homem apareceu de imediato, como homem verdadeiro e completo.”

            A disputa mais recente na área do Criacionismo científico e evolucionismo envolve uma teoria científica denominada de “Desenho Inteligente”.

John Burdon Sanderson Haldane, mais conhecido como J. B. S . Haldane, um dos gigantes do neodarwinismo (ateu e marxista) disse em 1963, 25 anos antes do movimento do Design Inteligente surgir:

“um organismo… produzido… por um agente natural ou sobrenatural, pelo menos tão inteligente quanto nós mesmos, e com muito mais conhecimento somente pela evidência da natureza, mostra que o design inteligente é uma hipótese científica legítima”

            Pode-se dizer o que se bem desejar, todavia, provar afirmações cientificamente e honestamente é outra história. O Criacionismo tem realizado tal feito com excelência.

robsontfernandesRobson Tavares Fernandes é bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional). Tem se dedicado desde 1998 ao ensino e pesquisa bíblica na área de Apologética, sendo autor de vários artigos já publicados. Atuação como professor: Curso de Teologia da Igreja Batista da Palmeira, CBA (Curso Básico de Apologética) e ITESMI (Instituto Teológico Superior de Missões). Atuação como pesquisador: VINACC (Visão Nacional para a Consciência Cristã). Atuação como palestrante: Encontro para a Consciência Cristã, Simpósio Criacionista da Paraíba, Seminário Criacionista da Alagoas. Tem ministrado, ainda, palestras em igrejas, escolas e universidades.

Contato:  cristovira@bol.com.br  rtf75@bol.com.br

Atenção:
O conteúdo desta página tem objetivo formativo e educacional.OS ARTIGOS AQUI PUBLICADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES, CITADOS NO FINAL DE CADA ARTIGO. NÃO NECESSARIAMENTE ESTA PRODUÇÃO CONCORDA INTEIRAMENTE COM O ENTENDIMENTO TEOLÓGICO DE CADA AUTOR. TODAVIA, OS PUBLICAMOS COMO FONTE DE CONHECIMENTO E COMO FORMA DE CONTRIBUIR PARA O ALARGAMENTO DO ENTENDIMENTO E A POSSIBILIDADE DE CONHECERMOS VÁRIAS FORMAS DE PENSAR. CABE A CADA LEITOR REFLETIR, À LUZ DA BÍBLIA, SE CONCORDA OU NÃO COM OS POSICIONAMENTOS AQUI EXPRESSADOS. 

 

Deixe uma resposta