Arquivo da categoria: Notícias Evangélicas

Notícias atualizadas do que acontece no meio evangélico.

dtq-sacrifice-altar-Foto-Abba-Richman

Israel: ‘Novo Sinédrio’ escolhe sumo-sacerdote para o Terceiro Templo

Promovidas pelo Instituto do Templo, as cerimônias servem como uma espécie de “ensaio” para que tudo esteja em ordem e todos saibam o que fazer quando o Terceiro Templo estiver pronto

A escolha de um novo sumo-sacerdote foi um importante passo na preparação da construção do Terceiro Templo, em Jerusalém. O escolhido foi o rabino Baruch Kahane, um erudito nas leis relacionadas ao serviço no templo. Ele pertence ao Instituto Berurá Halacha, criado pelo rabino Avraham Isaac HaCohen Kook, e que se concentra na elucidação da lei judaica a partir de suas fontes talmúdicas (Lei Oral) e comentários.

Segundo matéria do site ‘Gospel Prime’, o rabino Kahane tem desempenhado um papel importante em todas as reconstituições dos serviços do Templo já realizadas até hoje. Promovidas pelo Instituto do Templo, as cerimônias servem como uma espécie de “ensaio” para que tudo esteja em ordem após o novo prédio ser erguido.

Sacerdote sem templo

A escolha do nome de Kahane ficou a cargo do novo Sinédrio. Seu porta-voz, o rabino Hillel Weiss, explicou a necessidade de se escolher um sumo-sacerdote, mesmo que não haja um templo. “Para tomar esta decisão relevante não precisamos de um acontecimento milagroso, como o aparecimento repentino de um templo descendo do céu”, declarou ao Breaking Israel News.

Segundo ele, “o único obstáculo que impede o culto no Templo, hoje, é a questão política [com os muçulmanos]. Se isso mudar, será necessário iniciar imediatamente os serviços religiosos no Templo”. Acrescentou ainda que “é preciso ter alguém preparado para desempenhar a função de sumo-sacerdote, especialmente agora que já temos pessoas capacitadas para isso”, acrescentou Weiss.

De acordo com o ‘Breaking Israel News’, o Instituto do Templo está confiante de que, assim que o serviço do Templo receber autorização para recomeçar tudo estará pronto em menos de uma semana. Este ano o Instituto criou um registro dos kohanim [sacerdotes] que irão servir no local. Eles estão se preparando desde março e fizeram reconstituições em todos os feriados, incluindo o sacrifício da Páscoa.

O rabino Yisrael Ariel, fundador e líder do Instituto do Templo também é membro do Sinédrio. Ele diz que a escolha segue um mandamento divino. “Não é uma questão de opinião. Está escrito explicitamente na Torá [Antigo Testamento] e, como qualquer um dos outros mandamentos, temos de seguir. A escolha de um sumo-sacerdote e fazer todas as preparações é algo que independe do fato do Templo não estar em pé agora”.

As preparações para o Terceiro Templo

Os 20 estudiosos do Talmude, que trabalham para o Instituto em tempo integral, elaboraram em detalhes todos os procedimentos seguindo as leis elaboradas cerca de 3.000 anos atrás. O Instituto afirma que já gastou mais de 30 milhões de dólares até o momento.

Para os judeus que estudam as profecias sobre o final dos tempos, a restauração dos sacrifícios rituais em Jerusalém é o início do processo de aparecimento do Messias esperado por eles. Para a maioria dos cristãos que estudam escatologia, o surgimento do Anticristo depende da restauração do templo e dos sacrifícios, segundo a interpretação de Daniel 9:27.

Existe uma divisão de opiniões sobre o Terceiro Templo. Uma corrente teológica defende que ele só será construído durante a Grande Tribulação. Outros acreditam que ele só estará de pé novamente durante o reino milenar de Cristo na Terra.

Fonte: Gospel Prime

Igreja-universal-templo-de-salomao-vasectomia

Universal conquista liminar que obriga Google a retirar o Templo de Salomão como endereço do anticristo

Igreja-universal-templo-de-salomao-vasectomia

A Igreja Universal do Reino de Deus conseguiu uma vitória na Justiça para obrigar o Google a remover o Templo de Salomão como resultado de buscas para o “anticristo” e “sinagoga de satanás” em seu serviço de mapas.

A decisão, em caráter liminar, foi concedida pelo juiz da 12ª Vara Cível de São Paulo, que estabeleceu multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento.

A informação sobre a decisão foi divulgada pela própria assessoria de imprensa da denominação fundada pelo bispo Edir Macedo.

Antes da ação na Justiça, a Universal procurou o Google pedindo a remoção de tais resultados de busca no serviço de mapas da empresa, e chegou a anunciar que havia conseguido uma resposta positiva, e que em breve o caso seria solucionado, o que não aconteceu.

“A Universal esclarece que esgotou todas as possibilidades de uma solução junto à empresa Google para que fosse interrompida essa abominável agressão à fé de milhões de pessoas que têm o Templo de Salomão como local sagrado. Felizmente, o Poder Judiciário pôs fim a um grave atentado à liberdade de crença assegurada a todos os brasileiros por nossa Constituição Federal”, diz a nota da Igreja Universal.

O texto acrescenta que a denominação “não aceita e jamais aceitará calada ataques de preconceito religioso e a promoção do ódio gratuito” e que se manterá dedicada a buscar “na Justiça a devida reparação e a punição dos culpados”.

Até o fechamento desta matéria, o Google não havia removido o Templo de Salomão como endereço do anticristo nas pesquisas feitas no serviço de mapas. Confira:

Google Maps mantinha Templo de Salomão como resultado de busca pelo anticristo nesta quinta-feira
Google Maps mantinha Templo de Salomão como resultado de busca pelo anticristo nesta quinta-feira

Fonte: Gospel +.

676061.TIF

Descendentes do rei Davi vão à Justiça para reaver posse do Monte do Templo, em Jerusalém

676061.TIF

A iniciativa que convoca os judeus de todo o mundo para colaborar com reconstrução do Templo em Jerusalém não é a única envolvendo o Monte da cidade mais importante para as três principais religiões do planeta: um grupo descendente de Davi moveu uma ação na Justiça para reaver a propriedade do terreno.

Os professores Boruch Fishman e Israel Aurbach fizeram um trabalho de pesquisa sobre a genealogia do rei Davi e listou todos os seus descendentes do sexo masculino. Com esse trabalho documentado, Fischman criou uma entidade legal para representar todos esses descendentes, chamada Canfei Nesharim L’Maan Hakahal (“Asas de Águia para a Assembleia”, em tradução livre), segundo informações do Israel Breaking News.

Atendo-se a um fato histórico, os professores argumentam que Davi comprou o terreno onde o Templo original seria erguido, e diante disso, o Monte deveria ser transferido a seus descendentes como herança.

A lógica é aprofundada com uma explicação sociocultural a respeito das propriedades de terra em Israel. O advogado da entidade, Baruch Ben Yosef, explica que o Monte do Templo não foi registrado pela Autoridade da Terra de Israel, abrindo uma brecha jurídica: “O fato de hoje o Monte do Templo estar sob a autoridade do Waqf [islâmicos] ou da Jordânia não dá um direito legal à propriedade”, pontuou.

Yosef destaca que menos de 10% do território de Israel são formados por propriedades privadas. Pouco mais de 90% é propriedade do governo, tendo seus registros no Fundo Nacional Judaico e na Administração das Terras de Israel.

Dessa forma, quando uma propriedade é comprada em Israel, ela deve ser registrada nessas autoridades. O Monte do Templo não consta como uma propriedade listada nessas entidades, o que reforça o argumento de que é uma herança dos descendentes de Davi.

“Uma vez sendo propriedade privada, as pessoas que são da linhagem do rei Davi têm uma reivindicação legal. Entretanto, a Autoridade da Terra de Israel não vai fazer nada sem uma ordem judicial do Supremo Tribunal”, prevê o advogado.

Atualmente, o Monte do Templo em Jerusalém é ocupado pela mesquita Al-Aqsa (foto), conhecida por seu domo dourado. O controle da área está com as Forças Armadas da Jordânia, que regulam o acesso ao local.

O Instituto do Templo, uma entidade formada por judeus ultra ortodoxos têm planos para reerguer o templo construído pelo rei Salomão e destruído em 586 a. C. O segundo, construído 51 anos depois, foi destruído no ano 70 d. C. pelos romanos.

Fonte: Gospel +.

fogo-biblia

Homem ateia fogo à Bíblia Sagrada e sua casa é destruída por incêndio

fogo-biblia

Um incêndio foi provocado por um homem – que supostamente é dependente químico – após ele atear fogo a um exemplar da Bíblia Sagrada.

A casa em que o suspeito mora fica na cidade de Brumado (BA) e foi completamente incendiada depois que ele resolveu queimar a Bíblia.

Segundo informações do portal A Tarde, o incendiário estava com a mãe dentro do imóvel e não queria deixar o local, mesmo com as chamas já em grande volume e tomando todo o local.

Os vizinhos da família intervieram e conseguiram retirar ambos do imóvel, antes que o fogo destruísse completamente toda a residência, que fica na rua Raposo Tavares, no bairro Mercado.

Não há informações sobre a extensão dos danos, e se os imóveis vizinhos foram afetados.

Fogo

Se a iniciativa de atear fogo à Bíblia terminou por destruir a casa do suspeito, em outros casos, incêndios que destruíram completamente os imóveis onde aconteceram acidentes do tipo, exemplares da Bíblia que estavam no local foram preservados praticamente intactos.

Um dos casos mais recentes foi o de um quarto de hotel desativado, que pegou fogo devido a um curto circuito na cidade de Marília, interior de São Paulo: um exemplar da Bíblia Sagrada, que estava no local, foi preservada pelo incêndio.

O Corpo de Bombeiros foi acionado para apagar o incêndio que destruía um dos quartos do hotel. Três viaturas do batalhão da cidade foram mobilizadas para o atendimento da ocorrência. Ao chegarem ao local, os bombeiros combateram as chamas rapidamente e após o rescaldo, entraram no espaço para identificar a origem do fogo, e encontraram a Bíblia, com a capa chamuscada, mas todas as páginas intactas.

Fonte: Gospel +.

1271457037-bianca-toledo-e-felipe-heiderich

Bianca Toledo anuncia separação por caso de homossexualidade e pedofilia do marido

1271457037-bianca-toledo-e-felipe-heiderich

A pastora e escritora Bianca Toledo anunciou separação do pastor Felipe Heiderich na noite desta terça-feira (5) em um vídeo publicado nas redes sociais. Em tom de tristeza, ela revela que Felipe era homossexual e cometeu pedofilia.

“O que eu descobri é muito grave, muito grave. No dia em que eu o confrontei, ele chegou a confirmar comigo que ele tinha um quadro de homossexualidade latente no tempo vigente do meu casamento com ele, o que me fez desejar cancelar esse casamento”, disse ela, explicando o motivo da separação.

Bianca conta que após um momento de confronto entre o casal, Felipe tentou suicídio numa noite em que ela não estava em casa. Depois disso, ele foi internado em uma clínica psiquiátrica. “Na clínica, ele foi diagnosticado com uma psicose maníaco depressiva, com neurose grave, duplas personalidades”, relata Bianca.

A escritora também falou sobre uma situação que envolve pedofilia. “Como mãe, eu posso dizer que esses foram os piores dias da minha vida. Ele está cautelado por crime de pedofilia. Eu estou aguardando a justiça do céu e a justiça da terra”.

Algumas horas antes de publicar o caso, a pastora havia cancelado sua participação no Encontro de Mulheres que aconteceria no próximo sábado (9), na Expoevangélica.

No Facebook, Bianca informou que “a anulação do casamento foi aceita como legítima diante das provas apresentadas ao juiz, e que o pedido de prisão foi feito mediante comprovação suficiente”. Ela disse também que na quarta (6) haverá uma sessão sobre seu caso na Assembleia Legislativa, dirigida pelo Senador Magno Malta — que está acompanhando o processo de perto. A reunião será exibida pela TV Senado.

“Eu fui enganada. Eu fui enganada. Mas se essa é a minha missão, eis-me aqui. Eu tenho clamado para que tudo o que está em oculto na Igreja do Senhor seja revelado, e eu fui tocada por essa revelação, mas o Senhor me livrou e eu quero que a justiça seja feita, em nome de Jesus”, finalizou.

Fonte: Guiame.com

 

faceook

Facebook é mais lido que a Bíblia entre cristãos, afirma estudo

faceook

Pesquisa afirma que a rede social Facebook supera as escrituras sagradas em leitura semanal das pessoas. O resultado foi divulgado pela Gallup, empresa de pesquisa de opinião e o Pew Research, organização que apoiou a pesquisa, ambas americanas.

Foi constatado que 37% das pessoas leem a Bíblia toda semana, enquanto 56% acessam sua linha do tempo no Facebook no mesmo período, de acordo com os dados publicados dos institutos.

A Gallup vem registrando uma queda no número de leitores da Bíblia desde 1980: naquele ano, 73% dos norte americanos afirmavam ler o Livro Sagrado, enquanto 59% afirmam isso hoje, mais de 30 anos depois. Em termos de frequência, 16% dos entrevistados leem a Bíblia todos os dias, 21% leem semanalmente, 12% leem mensalmente e 41% estão entre os que leem raramente ou nunca leram as Escrituras.

De acordo com 65% dos americanos, a Bíblia “responde a todas as questões básicas da vida”. Curiosamente, 28% das pessoas que concordam com esta frase raramente leem a Bíblia. Além disso, 46% das pessoas com pós-graduação dizem que a Bíblia responde às perguntas básicas da vida, em comparação com 72% daqueles que possuem apenas o ensino médio.

As mulheres são muito mais propensas a ler a Bíblia do que os homens, de acordo com os dados. Cerca de 43% das mulheres leem as Escrituras diariamente, em comparação com 29% dos homens. Pessoas mais velhas também são mais propensas a ler a Bíblia do que os mais jovens. Metade das pessoas com mais de 65 anos leem a Bíblia semanalmente, em comparação com 27% das pessoas entre 18 e 29 anos.

Os resultados da pesquisa foram baseados em entrevistas feitas por telefone, em uma amostra de 1.024 adultos, com idades acima de 18 anos.

Rede social já superava Bíblia

O Facebook é uma rede social lançada em Fevereiro de 2004 e já ultrapassou a marca de 1 bilhão usuários ativos, sendo a maior rede social em todo o mundo.

Fonte: Gospel +.

igreja-vazia

Secularismo avança, e grupo de pessoas “sem-religião” já é maior que o cristianismo

igreja-vazia

Cristianismo, islamismo e judaísmo são as religiões monoteístas que mais atraem seguidores em todo o mundo. Outras crenças, como hinduísmo e budismo, também atraem centenas de milhões. Mas, o grupo que mais cresce em todo o mundo é o dos “sem-religião”.

Pesquisas apontam que as pessoas não afiliadas a nenhum grupo religioso hoje formam o segundo maior bloco social na América do Norte e em grande parte da Europa. Nos Estados Unidos, são quase 25% da população, e superaram, individualmente, grupos como protestantes, católicos ou seguidores de religiões não cristãs.

Obviamente que os “sem-religião” formam um grupo extremamente heterogêneo, formado por ateus, agnósticos e até mesmo crentes sem filiação a denominações.

Segundo informações do HypeScience, as previsões sobre o fim das religiões são antigas, mas a velocidade com que o grupo dos “sem-religião” vem crescendo chamou a atenção dos pesquisadores.

Na França, onde o islamismo cresce consideravelmente, espera-se que a população seja majoritariamente secular nos próximos anos. E a previsão é a mesma para Holanda e Nova Zelândia. Em um estágio inferior, o Reino Unido e a Austrália poderão deixar de ter maioria cristã.

“Alguns demógrafos atribuem esse fato a segurança financeira, o que explicaria por que os países europeus com programas de segurança social mais fortes são mais seculares do que os Estados Unidos, onde a pobreza é mais comum e uma emergência médica pode levar à falência”, pontua a matéria do HypeScience, baseada em uma extensa reportagem da revista National Geographic.

Outros fatores que atuam em conjunto com a questão financeira no afastamento das pessoas das religiões são educação de nível superior e informação sobre as crenças e suas origens.

Em contraponto, em outras partes do mundo a religião como um todo vem crescendo. Na África subsaariana, por exemplo, o crescimento é tão intenso que é previsto que nos próximos 25 anos, o número de pessoas “sem-religião” diminua de forma significativa.

Fonte: Gospel +.

vivi-orth

DESSERVIÇO: Modelo evangélica que sonhava ser missionária será capa da nova edição da revista Playboy

vivi-orth

A modelo Vivi Orth será capa da revista Playboy de maio. A evangélica foi confirmada como a atração principal da publicação recentemente. Na edição de reestreia da revista, a escolhida foi a atriz e modelo Luana Piovani, frequentadora da Igreja Adventista.

A revista Playboy passou alguns meses fora de circulação após a Editora Abril decidir não renovar o contrato de franquia com a empresa norte-americana que detém os direitos autorais. Agora, a publicação dedicada ao público masculino é a PBB.

A informação sobre Vivi Orth foi divulgada pelo jornalista Lauro Jardim, de O Globo: “Depois de estrear com Luana Piovani, a revista vai desnudar a modelo (e evangélica) Viviane Orth, uma das mais disputadas das últimas edições da SP Fashion Week”.

Em 2011, Vivi Orth revelou à revista Moda que na infância, sonhava em ser missionária, mas que nos últimos anos, não vinha dedicando muito tempo para pensar sobre isso. “Queria ir para a África, levar a religião para as pessoas. Hoje não tenho mais pensado nisso, mas não é algo que descarto realizar daqui uns anos”.

Na mesma ocasião, Vivi Orth frisou que sua profissão nunca a atrapalhou no exercício de sua fé, embora tenha saído de casa, em Toledo (PR) aos 13 anos para viver em São Paulo (SP), e três anos depois estava de mudança para Paris, na França, para trabalhar com o conceituado estilista John Galliano. “Ele me ensinou tudo sobre alta-costura: como posar para valorizar um vestido, como mexer a mão. Também aprendi sobre o processo de criação ao vê-lo buscar inspiração e transformar aquilo em roupa”.

Fonte: Gospel +.

israel1-1024x819

Judeus rejeitam ajuda de evangélicos por medo de conversão cristã

israel1-1024x819

De acordo com uma líder de oração nos Estados Unidos, Carol Butler, os judeus desprezam e criticam os evangélicos que apoiam e oram por Israel e seu povo. Membro da organização Centro Cristão Victory, em Oklahoma, que atua em parceria com uma sinagoga israelense que ajuda a comunidade judaica, Butler diz que apesar da rejeição, as pessoas são motivadas por uma ideia simples, mas poderosa: “Nós oramos porque amamos Israel e o povo judeu”, afirmou.

Carol acredita que suas orações não são bem-vindas pelos judeus. “Oro para que o povo judeu um dia aprecie o nosso amor e preocupação, em vez de confundi-la com ódio e antissemitismo, que era como os cristãos e judeus costumavam se relacionar”.

A fim de ajudar a comunidade judaica, o Centro Cristão Victory promove todos os anos “Uma noite Para Honrar Israel” com o objetivo de arrecadar fundos para o país.

Kellen Davison, fundador da organização “Reconciliação com Israel” e co-fundador do projeto “Comunidade de Israel”, trabalha para promover essa religação com Israel e conta que entre as orações mais pedidas são de segurança pelos judeus e unidade espiritual com os cristãos. Davison explicou que muitos judeus temem que os cristãos tentem “convencê-los a abraçar uma crença não-judaica”.

De acordo com o israelense Yael Eckstein, vice-presidente da Sociedade Internacional de Cristãos e Judeus, o mundo judaico está aprendendo que os cristãos podem amar Israel sem ter a intenção de estabelecer missões ou convertê-los.

“Finalmente, chegamos no ponto em que as organizações judaicas estão dispostas a aceitar doações dos cristãos, mas nós realmente precisamos fazer mais. Precisamos alcançar cristãos sionistas para que nos apoiem. Precisamos aceitar que os cristãos sionistas são parceiros estratégicos no futuro de Israel, se quisermos ter um futuro no Oriente Médio”, disse ele.

O sionismo cristão é um movimento em que alguns cristãos, especialmente protestantes, acreditam que o retorno dos judeus à Terra Santa e o estabelecimento do Estado de Israel está de acordo com as escrituras.

Fonte: Gospel +.

nilo-sangue

Satélite flagra águas do rio Nilo vermelhas como sangue e estudiosos lembram praga do Egito

nilo-sangue

Uma imagem do rio Nilo, no Egito, feita por satélite, mostra as águas e algumas áreas do deserto da região vermelhas, lembrando a narrativa do livro do Êxodo.

O flagrante foi registrado pelo satélite Sentinel-3ª, da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), e recebeu destaque na mídia israelense por causa da proximidade com a celebração pascal judaica, que segue o calendário bíblico e é comemorada no dia 21 de abril.

A Páscoa, para os judeus, é a celebração religiosa mais importante, pois é quando relembram a passagem no Mar Vermelho, em fuga do Egito, e também as dez pragas que foram ordenadas por Deus contra aquela nação.

Segundo informações do Breaking Israel News, diversos religiosos judeus comentaram o registro da ESA, pois a praga do sangue (“dam”), em hebraico, foi a primeira enviada contra os egípcios.

Muitos pesquisadores alegam que a primeira praga narrada no Êxodo pode ser explicada pela proliferação de algas de cor avermelhada, muito comuns na região do Nilo nessa época do ano.

Em contrapartida, os estudiosos pontuam que a Bíblia Sagrada relata que toda a água do Egito se transformou em sangue quando Deus enviou a praga, e não apenas as águas do rio Nilo.

Fonte: Gospel +.

andre-valadao-cruz-sem-pecado

André Valadão polemiza ao dizer que “a cruz não revela pecados, e sim, nosso valor”; Pastor rebate

andre-valadao-cruz-sem-pecado

O pastor e cantor André Valadão, da Igreja Batista da Lagoinha (IBL), gerou enorme polêmica nas redes sociais recentemente por publicar uma imagem com a frase “a cruz não é a revelação do nosso pecado, é a revelação do nosso valor”.

A frase gerou grande burburinho nas redes sociais e na blogosfera cristã, pois o entendimento de que o sacrifício na cruz se fez necessário para que os pecados da humanidade pudessem ser redimidos fica em segundo plano nesse raciocínio de Valadão.

“Se a cruz não revela nosso pecado, qual seria o fundamento dos escritores bíblicos ao falar em propiciação e expiação? Estes são termos que comunicam que a morte de Cristo foi em substituição ao pecador, para pagar a dívida do pecado e aplacar a santa ira divina”, opinou Thiago Oliveira, nosite Púlpito Cristão.

Para Oliveira, esse pensamento conciso na frase de Valadão “demonstra a perversão do Evangelho e mostra como baluartes do segmento gospel tem infiltrado falsos ensinamentos no seio da Igreja”.

“A cruz não revela nosso valor, revela nossa vileza. Revela também a nossa incapacidade de nos achegarmos a Deus. Cristo Jesus foi quem por graça lavou a igreja com seu sangue, purificando-a de todo o pecado. Sendo assim, o valor da igreja, ou seja, dos crentes que formam o corpo de Cristo, não é outro a não ser o sangue que os redimiu. Por isso o apóstolo Paulo diz que se tem um motivo para gloriar-se, este motivo é a cruz de Cristo (Gl 6.14). Não há nenhuma passagem bíblica que exalta o valor intrínseco do ser humano, pelo contrário, a Bíblia revela o pecado do homem e a necessidade de purificação mediante a fé em Jesus”, contrapôs, acrescentando os versículos 23 e 24 do capítulo 3 de Romanos: “…pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus”.

O pastor e escritor Renato Vargens pontuou que a frase inovadora do cantor “muito diverge do ensino das Escrituras”, pois “ao afirmar que a cruz não revela ou aponta para o pecado do homem, Valadão comete/defende um grave desvio teológico”.

“As Escrituras afirmam que não existe um homem neste planeta que possa considerar-se justo pelos seus próprios méritos”, escreveu o pastor, reiterando a passagem bíblica de Romanos 3:23,24.

No artigo de Vargens, ele destaca que “a Bíblia diagnostica o pecado como uma deformidade universal da natureza humana […] que se manifesta em detalhes na vida de cada indivíduo”, além do fato de que “a Palavra de Deus ensina que o homem é totalmente depravado e que necessita desesperadamente de salvação”.

Por fim, o pastor trouxe à baila uma frase do pregador Paul Washer, para resumir seu contraponto à declaração de André Valadão: “A cruz de Cristo não é uma amostra do quanto somos preciosos, mas do quanto somos depravados”.

A saraivada de críticas ao cantor o levou a reconsiderar sua frase, publicando uma nova, seguida de um longo comentário: “A cruz revela nosso valor não em quem éramos, mas em quem somos hoje em Cristo”.

Na legenda da imagem com a frase reformulada, o cantor fez um mea culpa: “Não podemos ver na cruz apenas o que nos levaria até lá. Devemos reconhecer a obra substitutiva de Cristo e também reconhecer que somente Ele poderia nos redimir do que nunca poderíamos redimir em nós mesmos. NOSSO PASSADO SERVE PARA NOS MOSTRAR QUE NÃO ESTAMOS MAIS LÁ. ESTAMOS no HOJE, e o agora não há mais condenação para os que estão em Cristo Jesus. A LEI DO ESPÍRITO DA VIDA faz parte de nós hoje. A cruz deve ser tomada, lembrada, e reconhecida que lá era o nosso lugar, … MAS DEUS… MAS DEUS … MAS DEUS … Nos amou e com seu filho pagou o preço! Se fez pecado para Nele sermos feitos, PELA GRAÇA justiça”.

Fonte: Gospel +.

jacare-bitonho-alberonio-alves

Detento se converte na prisão e produz coletânea de fábulas para evangelizar o filho de cinco anos

jacare-bitonho-alberonio-alves

Um projeto de incentivo à leitura proporcionou a um detento a oportunidade de, mesmo preso, evangelizar o filho. A história de Alberônio Alves, 40 anos, começou como uma tentativa de se reaproximar do menino de cinco anos de idade.

Preso por ter feito um assalto, Alves está detido em um presídio de Teresina (PI) há dois anos, e depois de ter recebido acesso ao projeto literário “Leitura Livre”, resolveu escrever fábulas para seu filho e compartilhar a mensagem do Evangelho através de histórias infantis.

Segundo informações do G1, Alves criou uma coletânea com dez fábulas, chamada “Jacaré Bitonho: o poder do Espírito Santo”, e as histórias se passam em lugares conhecidos da capital piauiense, como a lagoa da Alvorada, floresta Paraíso e Espaçosa.

“Eu criei o personagem principal com o meu filho, que tinha na época três anos, ainda quando estava em liberdade. Nós costumávamos passear no [parque] Zoobotânico, e tinha um jacaré que ele gostava muito. O jacaré faleceu e ele não parava de perguntar onde estava o animal que não via mais, então eu comecei a contar histórias sobre o jacaré para ele”, contextualizou o detento.

A professora Mercedes Barros, que ministra aulas no presídio, explicou como funciona o projeto literário: “Nós repassamos os livros para os detentos e eles escolhem qual gênero querem ler. Depois escrevem uma resenha crítica sobre a obra e depois analisamos”, explicou.

A partir desse projeto, Alves começou a manifestar interesse pela literatura. No entanto, sua aproximação com Deus se deu após enfrentar dificuldades na cela lotada onde é mantido encarcerado, quando não está trabalhando na limpeza do refeitório.

“Eu comecei a escrever as fábulas do jacaré para meu filho, fazia tudo manuscrito e enviava pela minha mãe. Cheguei a fazer cinco cópias para ele, e eu sempre tinha notícias de que ele pedia mais, que lia muito empolgado. Esses livros também vão poder evangelizar meu filho. Posso estar preso, mas minhas palavras e as de Deus não estão”, afirmou.

A professora destaca a importância do acesso dos detentos à literatura: “Isso é uma forma de humanizar os presos, pois muitos deles não tinham contato com os livros, então esse trabalho tem motivado a criatividade e imaginário deles. O exemplo do Alberônio deve ser seguido para que os pais possam incentivar seus filhos a lerem e também propagar o Evangelho”, comentou Mercedes Barros.

Fonte: Gospel +.

anotacoes-feitas-em-tinta-em-ceramica-1460502157806_615x470

Antigas listas de compras viram evidência sobre quando a Bíblia foi escrita

anotacoes-feitas-em-tinta-em-ceramica-1460502157806_615x470

Eliashib, o intendente da remota fortaleza no deserto, recebia suas instruções por escrito, anotações feitas em tinta em cerâmica pedindo que provisões fossem enviadas para as forças no antigo reino de Judá.

Os pedidos por vinho, farinha e óleo parecem listas de compras mundanas, apesar de antigas. Mas uma nova análise da caligrafia sugere que a capacidade de ler e escrever era bem mais disseminada do que antes se sabia na Terra Santa por volta de 600 a.C., perto do final do período do Primeiro Templo. As conclusões, segundo pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, pode ter alguma relevância para o debate de um século sobre quando o corpo principal dos textos bíblicos foi composto.

“Para Eliashib: agora, dê a Kittiyim 3 batos de vinho, e escreva o nome do dia”, diz um dos textos, compostos em hebraico antigo usando o alfabeto aramaico, e aparentemente referindo-se a uma unidade mercenária grega na área.
Outra dizia: “E um coro pleno de vinho, traga amanhã. Não atrase. E se tiver vinagre, dê a eles”.

O novo estudo, publicado na “Proceedings of the National Academy of Sciences”, combinou arqueologia, história judaica e matemática aplicada, assim como envolveu processamento de imagens por computador e o desenvolvimento de um algoritmo para distinguir entre os vários autores emitindo as ordens.

Com base na análise estatística dos resultados, e levando em consideração o conteúdo dos textos escolhidos como amostra, os pesquisadores concluíram que pelo menos seis mãos escreveram as 18 mensagens mais ou menos na mesma época. Até mesmo soldados das fileiras mais baixas do exército de Judá, ao que parece, sabiam ler e escrever.

“Há algo psicológico além das estatísticas”, disse o professor Israel Finkelstein, do Departamento de Arqueologia e Civilizações Antigas do Oriente Próximo da Universidade de Tel Aviv, um dos líderes do projeto. “Há um entendimento do poder da alfabetização. E eles escreviam bem, praticamente sem erros.”

O estudo se baseou em um conjunto de cerca de 100 cartas escritas com tinta em pedaços de cerâmica, conhecidos como óstracos, que foram descobertos perto do Mar Morto em escavações do forte Arad, décadas atrás, e datados de cerca de 600 a.C. Isso foi pouco antes da destruição de Jerusalém e do reino de Judá por Nabucodonosor, e o exílio de sua elite para a Babilônia, e antes de quando muitos acadêmicos acreditam que grande parte dos textos bíblicos, incluindo os cinco livros de Moisés também conhecidos como Pentateuco, foram escritos de forma coesa.

A cidadela de Arad era uma frente pequena, distante e ativa, próxima da fronteira com o reino rival de Edom. O forte em si tinha apenas cerca de 2.000 metros quadrados e provavelmente só acomodava cerca de 30 soldados. A riqueza dos textos encontrados ali, registrando movimentos de tropas, provisões e outras atividades diárias, foi criada em um período curto, o que os torna uma amostra valiosa para estudo de quantas mãos diferentes os escreveram.

“Para Eliashib: agora, forneça 3 batos de vinho”, ordenava outro óstraco, adicionando: “E Hananyahu ordena que envie a Beersheba 2 mulas carregadas e envie a massa de pão com elas”.

Um dos argumentos mais antigos para o corpo principal da literatura bíblica não ter sido escrito em nada parecido com sua presente forma até depois da destruição e exílio, em 586 a.C., é que antes não havia alfabetização suficiente e nem escribas suficientes para a realização de uma empreitada tão grande.

Mas se a taxa de alfabetização no forte Arad se repetir por todo o reino de Judá, que contava com cerca de 100 mil habitantes, haveria centenas de pessoas alfabetizadas, sugere a equipe de pesquisa de Tel Aviv.

Isso forneceria a infraestrutura para a composição das obras bíblicas que constituem a base da história e teologia de Judá, incluindo as primeiras versões dos livros do Deuteronômio ao Segundo Livro de Reis, segundo os pesquisadores.

Desde o século 19, os acadêmicos debatem “quando foi escrito?”, disse Finkelstein. “Na própria época ou depois”, ele acrescentou, referindo-se à destruição e exílio.

Nos séculos após a destruição e exílio, até 200 a.C., disse Finkelstein, praticamente não há evidência arqueológica de inscrições em hebraico. Ele disse que esperava que escavações revelassem selos gravados e escritos cotidianos em cerâmica, mesmo que textos mais importantes, como os bíblicos, fossem feitos em materiais perecíveis, como pergaminho e papiro.

Os textos bíblicos escritos nos séculos após 586 a.C., ele sugeriu, provavelmente foram compostos na Babilônia.

Outros acadêmicos alertaram contra extrair conclusões demais a respeito de quando a primeira grande parte da Bíblia foi escrita, com base em extrapolações a partir das taxas de alfabetização antigas.

“Não há um consenso atualmente nos estudos bíblicos”, disse o professor Edward Greenstein, da Universidade Bar-Ilan, perto de Tel Aviv. “O processo de transmissão era muito mais complicado do que os acadêmicos costumam pensar.”

O processo de composição da Torá, segundo Greenstein, parece ter envolvido camadas de reescrições, suplementos e revisões.

Apontando para o saber recente da literatura bíblica, ele disse que os escribas podiam registrar os textos principalmente como auxílio à memória, em um mundo onde ainda eram transmitidos oralmente.

“Os textos bíblicos não precisavam ser escritos por muitas pessoas, ou lidos por muitas pessoas, para serem redigidos”, ele disse, acrescentando que os textos não circulavam amplamente.

Para deduzir as taxas de alfabetização, a equipe de pesquisa usou um método que Barak Sober, do Departamento de Matemática Aplicada da Universidade de Tel Aviv, comparou à análise forense de caligrafia adaptada aos tempos antigos.

Os matemáticos pegaram 16 cacos de cerâmica de Arad que eram mais ricos em conteúdo (dois apresentavam inscrições em ambos os lados). Dois dos textos lembravam uma chamada, apenas listando as pessoas presentes, e foram claramente escritos no posto avançado no deserto; outros foram compostos em outro lugar.

Muitas das cartas em aramaico não eram claras, de modo que não era possível dar simplesmente entrada dos dados em um computador. Em vez disso, os pesquisadores conceberam uma forma de reconstruí-las. Então as letras de pares de textos foram misturadas e o algoritmo as separou com base na caligrafia.

Se o algoritmo dividisse as letras em dois grupos claros, os textos eram contados como tendo sido escritos por dois autores. Quando o algoritmo não distinguia entre as letras e as deixava juntas em um grupo, nenhuma posição era tomada; elas podiam ter sido escritas pela mesma mão ou, possivelmente, por duas pessoas com estilo semelhante.

Um cálculo conservador revelou pelo menos quatro autores, e seis quando o conteúdo foi levado em consideração, como quem estava escrevendo para quem.

Outro óstraco foi endereçado a um homem chamado Nahum. Ele foi instruído a ir “até a casa de Eliashib, filho de Eshiyahu” para pegar um jarro de óleo, para enviá-lo a Ziph “rapidamente, o lacrando com seu selo”.

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Fonte: Notícias Cristãs.

sylvester-stallone-e1452869811627

Premiado no Globo de Ouro, Stallone diz que inspiração para Rocky Balboa é Jesus: “História de fé”

sylvester-stallone-e1452869811627

O filme “Creed”, um derivado da saga “Rocky”, levou o ator Sylvester Stallone a vencer, pela primeira vez, o Globo de Ouro, na categoria “Melhor Ator Coadjuvante”. Dias depois, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas também o indicou ao Oscar por sua atuação no mesmo filme.

Stallone, que ficou famoso justamente no papel que o rendeu o atual prêmio, já havia dito que sua inspiração para interpretar o lutador ítalo-americano Rocky Balboa era Jesus Cristo.

Segundo o ator, os filmes de Rocky Balboa formam “uma história de fé, integridade e vitória”, e isso é um resumo da trajetória do filho de Deus: “Jesus é a inspiração para qualquer pessoa que tem que percorrer uma distância. A coragem dele [Rocky] poderia ser comparada com a de Davi”, afirmou, tempos atrás.

Os filmes da saga “Rocky” contam uma clássica história de superação, do humilde que vence o gigante, do homem que, do nada, conquista tudo e, quando perde tudo, se ancora na família e amigos.

Em 2006, em uma entrevista para a emissora de TV Christian Broadcasting Network (CBN), Stallone observou que na primeira cena de “Rocky, Um Lutador” (1977), do qual foi roteirista, a imagem de Jesus Cristo aparece antes de uma luta amadora do personagem-título, o que funciona como um resumo da trajetória do boxeador, uma mensagem: “Esse homem tinha uma missão a cumprir”.

Na época, ele foi questionado de qual forma o boxe poderia ser associado à mensagem cristã, e o ator respondeu: “Alguém que enfrenta o mal cara a cara é uma metáfora da vida. E isso, basicamente, é o Rocky”.

Stallone se reconciliou com o Evangelho anos atrás. Ele havia sido criado em uma família cristã, mas na vida adulta, quando chegou a Hollywood, abandonou o “caminho”. No entanto, os filmes no papel do boxeador o lembravam de suas origens: “Cada vez que eu voltava ao Rocky era um novo renascer”, disse.

“Eu não era escritor, não era um estudante exemplar. De repente, comecei a escrever Rocky, veio o Oscar… E não posso assumir que fiz isso sozinho, não posso acreditar nisso”, afirmou, sugerindo que recebeu inspiração divina para escrever o primeiro filme.

Em sua conclusão, Stallone diz que na história de Rocky “há um chamado e eu acho que é uma perfeita mensagem para o que está acontecendo. Existe o mal [no mundo], não temos exemplos; e o Rocky é um homem humilde que acredita em se sacrificar pelos outros”.

No último domingo, 10 de janeiro, ao ser premiado como “Melhor Ator Coadjuvante” no Globo de Ouro, Stallone resumiu sua relação com o personagem: “Quero agradecer ao meu amigo imaginário Rocky Balboa por ser o melhor amigo que eu tive”.

Fonte: Gospel +.

DSC00350

Igreja Batista Novo Horizonte retoma construção

DSC00350

 

No dia 18 de maio de 2015, a Igreja Batista Novo Horizonte teve sua construção retomada. A mesma esteve parada desde o dia 19 de setembro de 2014, dia anterior ao falecimento de Pr. Edson Poujeaux.

Na fase atual, o templo já está coberto, e praticamente todo rebocado por dentro, restando no exterior apenas completar o reboco da fachada (conforme imagem).