Arquivo de etiquetas: tristeza

No Dia da Minha Angústia

No dia da Minha Angústia


No Dia da Minha Angústia

No dia da Minha Angústia

Salmos : 77:2 – “No dia da minha angústia, procuro o Senhor; erguem-se as minhas mãos durante a noite e não se cansam; a minha alma recusa consolar-se”.

Nesta vida, alternamos momentos de grande animação com momentos de desconsolo; momentos de alegria com momentos de tristezas.

Como em uma roda gigante, um dia estamos no alto, no outro estamos por baixo.

Os nossos sentimentos se alternam com tamanha frequência que nós nos sentimos desgastados, cansados e a vida vai perdendo a graça.

Entramos em um processo de depressão, de experimentar um abismo sem fim.

Quando atingimos este ponto, a pergunta que fazemos é: “Será que o meu sofrimento vai ter fim?” Qual a solução? Qual o caminho que nos tirará desta profunda depressão?

download sermoes

Quando a tristeza pode virar alegria


Quando a tristeza Pode Virar Alegria

João 2:1- “Três dias depois, houve um casamento em Caná da Galiléia, achando-se ali a mãe de Jesus.  Jesus também foi convidado, com os seus discípulos, para o casamento. Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho”.

Às vezes o vinho acaba…

A alegria pode ir embora por motivos diversos: pecado; sofrimento; decepção; etc. 

O que fazer nessas horas?sermoes

Mude de janela!

mude de janelaMude de janela!

            Conta-se que certa menina tinha um lindo cãozinho de estimação. Ela devotava muito carinho e atenção por ele.

Todos os dias, ao cair da tarde, ficava na varanda de sua casa, olhando seu cãozinho brincar.

Certo dia, ao voltar da escola, percebeu um movimento intenso e algo estranho no ar…

– O que houve? Perguntou à sua mãe.

O cãozinho morrera, um carro o atropelou o matou. Que tragédia, para aquela menina!

Após uns dias isolada no quarto, curtindo sua tristeza, ela passou a adotar um comportamento estranho. Todos os dias, ao cair da tarde, ficava na janela do seu quarto, olhando para o portão da casa, numa ingênua ilusão, esperando ver seu cãozinho voltar.

Assim ficou por muitos dias.

Até que, seu pai com o coração partido por ver a filha assim, tomou-a nos braços e disse:

– Filha, lá em nosso jardim nasceu uma linda flor. Venha, mude de janela !

* * *

            Nossa existência é semelhante a uma casa de muitas janelas, que possibilita a contemplação de várias paisagens.

O problema é que muitos fazem da vida uma casa de uma única janela. E ali, ficam debruçadas, por anos.

Quando alguém age assim, o foco da sua atenção fica limitado, impossibilitando-o de ver outras paisagens.

Na vida, às vezes, temos que mudar de janela, para contemplar o novo ao nosso redor.

Uma janela, por exemplo, que precisa ser fechada, é a do ressentimento.

Quem fica debruçado sobre esta janela olha a vida pelo ângulo da amargura, do desencanto, da tristeza profunda.

A pessoa ressentida, perde a confiança no amor, não investe em novos relacionamentos, fecha as portas para o perdão e tem visão muito negativa da vida.
É como olhar para o céu e só enxergar nuvens escuras.

Amado leitor: Se você se encontra assim, então… Mude de janela!

Abra o seu coração para o perdão. A janela do perdão nos faz mais humanos, mais tolerantes, mais cheios de graça e beleza interior.

Quem vive debruçado sobre o passado não consegue vislumbrar o futuro.
São pessoas que vivem na pré-história:

– Ah! Quando eu era jovem; quando eu era solteiro! Ah! Se o tempo voltasse!

Mude para a janela da esperança.

Ela nos faz sonhar com dias melhores.

Quem quer vencer na vida, precisa ter a reflexão no passado, os pés no presente e os olhos no futuro, e caminhar sempre nessa direção!

Mude de janela e veja que você não está só.

Deus está ao seu lado, talvez, naquela flor que nasceu e você não percebeu porque tornou-se escravo de uma janela só.

Outras janelas podem significar novos sonhos e novos dias.

E então? Mude de janela!
**************